Mais Leite já chegou no campo

Publicado em 12 de janeiro de 2018

Comentário(s)

Em Linha Canela Gaúcha, São Miguel do Oeste, Extremo-Oeste catarinense, um exemplo de sucessão familiar e profissionalismo na bovinocultura leiteira. Na propriedade de 20.7 hectares, o casal de líderes cooperativistas Marcos Appelt e Marisete Barp Appelt, da filial de São Miguel do Oeste - SC, possuem um rebanho leiteiro de 25 vacas em lactação e uma produtividade média de 22 litros/vaca/dia ou 16.500 litros/mês. Pelo perfil empreendedor do casal, eles foram escolhidos para integrar o sistema de gestão Mais Leite – uma ferramenta nova lançada pelo projeto Alfa leite.

A produtora Marisete, líder na filial de São Miguel do Oeste, que estava de aniversário no dia da reportagem (5/12), conta que em 2003, quando começaram a produzir leite, possuíam apenas oito bovinos lactantes que produziam 22 litros por dia ou 660 por mês, entregues nos tarros – vasilhas onde se recolhia o leite ordenhado. “Tudo era feito de forma muito amadora e sem técnica nenhuma”, recorda. Com o passar dos anos, o casal foi se aprimorando, através de conhecimento, assistência técnica da Cooperalfa e de tecnologias melhoradoras de nutrição, manejo e genética.

Na opinião do gerente da filial de São Miguel do Oeste, Sezer Bellei, o casal de associados e líderes Marcos e Marisete são exemplo de liderança e de sucessão familiar. “Entre outras virtudes, eles souberam aproveitar a experiência e seguir o exemplo do patriarca da família, o senhor Gelain Normélio Barp, que é cooperativista de coração desde a época da extinta Cooper São Miguel, da qual fez parte do Conselho de Administração”.

Para a nutrição dos animais, eles destinam 5,5 hectares para o cultivo de pastagens perenes (Capim Pioneiro e Tifton) e anuais de verão (Milheto, Sorgo e Aveia de Verão). Além das forragens verdes, Marcos e Marisete fornecem aos animais feno e pré-secado de Tifton (adquiridos de terceiros), mais silagem de milho e rações prontas, no tipo e medida certa.

Aliás, para facilitar a vida, o casal adquiriu recentemente um silo com capacidade para seis toneladas de ração Nutrialfa. Até então, eles faziam ração formulada em casa. “Além de diminuir a mão-de-obra, usando Nutrialfa, recomendada pelos técnicos da Alfa de acordo com o ajuste de dieta da propriedade, pretendemos reduzir custos e aumentar a produção”, justificou a líder. O técnico Vilson Lemann explicou que o tipo de ração recomendada (porcentagem de Proteína) depende do pasto disponível na propriedade, sua qualidade e quantidade, também depende da fase em que se encontram os animais e do volume médio de produção. “Por isso, só recomendamos a ração por animal/dia, a partir do ajuste de dieta”.

Todo esse investimento no trato dos animais é necessário, entre outros fatores, para que o casal integrante do Mais Leite atinja o objetivo maior que é aumentar os teores de gordura e proteína no leite. “Essa é uma tendência de mercado e num futuro não muito distante o produtor irá receber pelo teor de sólidos contido no leite, é questão de tempo e por isso a nossa obrigação é estimular o produtor a produzir mais sólidos (pelo menos dentro da normalidade) e prepara-lo para essa realidade que está se desenhando”, comentou o médico veterinário Rodrigo Kuspe.

O médico veterinário Jardel Zuchi, novo supervisor técnico da regional de São José do Cedro, disse que o Mais Leite será uma ferramenta muito importante para a evolução e o profissionalismo da bovinocultura leiteira. “Daremos todo o suporte necessário para que o produtor tenha condições de operar o aplicativo Mais Leite e lançar todos os dados de gestão da propriedade”. O líder Marcos Appelt reconhece que graças a essa parceria com a cooperativa, é possível evoluir na atividade.

O coordenador de pastagem da Cooperalfa, o engenheiro agrônomo Alexandre Ramos, explicou que o Mais Leite é um programa desenvolvido por uma empresa contratada, no qual será utilizado para coleta de dados dos índices zootécnicos. O Alfa Leite continua para todos os integrados e 100 propriedades foram inseridas no Programa GSPL - Gestão Sustentável da Produção Leiteira, no qual o Mais Leite entra como uma das ferramentas. “Este é um programa mais amplo de acompanhamento das atividades vinculadas a todo o sistema de produção de leite, no qual nós estaremos auxiliando com maior frequência para atingir os objetivos estabelecidos pelos produtores”, declarou. O Mais Leite foi implantado nos meses de outubro e novembro e durante 2018 será trabalhado fortemente com os 100 produtores selecionados. Ou seja, o Mais Leite é um aplicativo para o qual a Alfa dispõe de 100 licenças e é uma ferramenta do Alfa Leite. “No entanto, precisamos salientar que o nosso programa GSPL é muito maior que um aplicativo”, declarou Ramos.

Reportagem publicada na edição de janeiro do Jornal O Cooperalfa

http://www.cooperalfa.com.br/jornal/ultima-edicao/




Comente


Leia também

Conhecer para Cooperar

02 de setembro de 2016

Dia Nacional do Campo Limpo envolve 1.200 crianças em Chapecó

18 de agosto de 2016

Cooperalfa reuniu quadro de lideranças em agosto

14 de outubro de 2016

Gestão das propriedades em Ipuaçú

23 de agosto de 2016

As oportunidades da crise

01 de setembro de 2016

Identificada nova praga de pastagens em Santa Catarina

23 de agosto de 2016

Cooperalfa inicia o ano do seu cinquentenário

05 de janeiro de 2017

Contatos Cooperalfa

Contatos dos setores

Trabalhe na Cooperalfa

Ligar para matriz
(049) 3321-7000

Av. Fernando Machado, 2580-D
Passo dos Fortes
Chapecó / SC