EUA caminham para maior safra de soja da história pelo segundo ano consecutivo

Publicado em 13 de setembro de 2017

Comentário(s)

No início do ciclo 2017/18, o USDA projetava 115 milhões de toneladas, apesar do aumento de área; agora, as projeções não param de subir e já apontam para 120 milhões de toneladas.

O novo relatório do departamento de agricultura dos EUA, o USDA, divulgado dia 12 de setembro caiu como um balde de água fria sobre o mercado. Contrariando as expectativas, o órgão ampliou as projeções de produtividade, tanto para a soja quanto para o milho.

No caso da oleaginosa, o documento traz o rendimento de 55,9 sacas por hectare (alta de 1,2 % sobre o último número, de agosto), contra as 54,6 sacas/hectare que os analistas estimavam.

Para o cereal, o USDA prevê 177,7 sacas/hectare (+0,18%), ao passo que o mercado acreditava em 175,7 sacas/hectare.

O resultado é que a colheita de soja deve chegar, de acordo com as projeções, a 120,6 milhões de toneladas, reafirmando a posição dos norte-americanos como maiores produtores mundiais, quebrando o recorde histórico pelo segundo ano consecutivo. No começo da safra, apesar do aumento de 7,25% em área, o USDA trabalhava com uma colheita pouco acima de 115 milhões de toneladas. Na temporada 2016/17, a safra havia sido de 117,2 milhões de toneladas.

Para o milho, a safra deve chegar a 360,3 milhões de toneladas, 0,8 milhão acima da última projeção, de agosto. No ciclo 2016/17, a produção foi de 384,8 milhões de toneladas, impulsionada pelos rendimentos recordes e também pela área. Na atual safra, a extensão dedicada ao cereal caiu 3,75%.

Análise do especialista – Camilo Motter, da Granoeste

“Assim como no mês passado, tivemos uma nova surpresa. O mercado esperava corte de produtividade no milho e na soja, com consequente queda de produção e menores estoques. E veio exatamente o contrário. O USDA aumentou a produtividade de soja para 55,9 sacas/hectare, com produção de 120,6 milhões de toneladas. Seria um novo recorde histórico.

O que surpreende é que houve algum problema climático, e o próprio acompanhamento de safra do USDA indica que, no ano passado, havia 73% de lavouras consideradas boas e excelentes. E o último relatório, desta segunda (12), traz 60% de lavouras boas e excelentes. Ou seja, este relatório de acompanhamento indica que a produtividade deveria ser bem menor.

Para o milho, é mais ou menos o mesmo raciocínio. Com isso, aumentou a projeção de estoques. A expectativa era 55,4 milhões de toneladas de milho e o relatório veio com 59,3 milhões de toneladas, aumentando em relação ao mês passado.

O impacto para o mercado foi imediato, assim que o relatório foi anunciado os preços do milho em Chicago despencaram 2,5% e os da soja 1,5%.

O que ninguém consegue compreender é o porquê de o USDA trabalhar de forma tão diferente com os relatórios [de acompanhamento de safra, e de oferta e demanda]. Ou o ano passado estava muito alto, ou este ano é que está muito depreciado.

Estamos começando colheita agora, com aproximadamente 5% do milho. Sobre a soja, devemos ter novidades na próxima semana. Vamos ver como vão se comportar as produtividades. O mercado ficará um pouco mais lento nos próximos dias.”

Gazeta do Povo




Comente


Leia também

Conhecer para Cooperar

02 de setembro de 2016

Dia Nacional do Campo Limpo envolve 1.200 crianças em Chapecó

18 de agosto de 2016

Cooperalfa reuniu quadro de lideranças em agosto

14 de outubro de 2016

Gestão das propriedades em Ipuaçú

23 de agosto de 2016

As oportunidades da crise

01 de setembro de 2016

Identificada nova praga de pastagens em Santa Catarina

23 de agosto de 2016

Cooperalfa inicia o ano do seu cinquentenário

05 de janeiro de 2017

Contatos Cooperalfa

Contatos dos setores

Trabalhe na Cooperalfa

Ligar para matriz
(049) 3321-7000

Av. Fernando Machado, 2580-D
Passo dos Fortes
Chapecó / SC